Humanismo e Existencialismo: Parte 2 - Psicólogos Humanistas - Otto Rank - Arte e Psicanálise

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
Humanismo e Existencialismo: Parte 2 - Psicólogos Humanistas - Otto Rank - Arte e Psicanálise

"O nosso Eu corpóreo é o artista da Existência" - charlie777pt

1. Introdução


“A experiência, e ainda mais toda a atitude em relação à vida, cresce a partir da luta para criar e assim reduz o problema da experiência ao problema da criatividade.” - Otto Rank

Podemos usar a arte e a fala como as únicas ferramentas para a catarse humana nesta sociedade não xamanística, com um sistema institucional com a perspectiva médica e legal dos magos autorizados pelo aparelho de saúde mental.
Não há lugar para nossa vontade pessoal e sentimentos no papel institucional psiquiátrico, que tem o objetivo de alinhar o comportamento das pessoas com as demandas da "ordem social", onde somos (Em português) apenas objeto de um método e modelo de tratamento que levará a a noção de "normalidade" com normas pré-definidas do que chamo de "mongoloidismo".

Nascemos com uma capacidade natural de escolher nosso caminho no caminho da vida e partilhá-lo através do amor aos outros viajantes da existência.
Temos que questionar os nossos valores herdados, os padrões de pensamento, e os modos predeterminados de agir, habitando no nosso corpo perceptivo e na experiência, e encontrar um novo caminho de tomada de consciência, para a nossa a auto-recriação e reinvenção pela nossa imaginação e vontade.
A psicologia humanista mudou a visão do "cliente" da terapia, visto vomo um relacionamento transpessoal, para despertar na pessoa o envolvimento do seu self no tratamento de transtornos de personalidade como depressão, ansiedade, esquizofrenia, adições e em sessões de terapia familiar.

“A arte inquestionavelmente serve um fim, provavelmente até serve a uma variedade de fins - mas os fins não são concretos e práticos, são abstratos e espirituais” ... “A essência da arte, no entanto, está precisamente na representação concreta do abstrato. "- Otto Rank

2 - Otto Rank (1884-1939) - O Tipo de Artista


Após a disseminação do conceito de autoatualização de Kurt Goldstein, Otto Rank foi também uma influência oculta, mas forte, no surgimento da psicologia existencial-humanista.
Erich Fromm viu á terapia da vontade de Otto, como uma espécie de filosofia nazista, mas mais tarde Rollo May e Carl Rogers trouxeram novamente a sua contribuição para enriquecer a psicologia humanista e a psicoterapia.
Otto Rank, depois de ler o paradigma de Freud, escreveu um surpreendente livro sobre criação artística em relação à teoria da interpretação do sonho, e ele se torna um amigo íntimo, colaborador e discípulo mais fechado, tornando-se ele mesmo um psicanalista.
Ele torna-se no favorito de Sigmund Freud por 20 anos, mas se foi um livro que os juntou, seria o ensaio "O Trauma do Nascimento" de 1929, que os separaria para sempre, com a nova idéia terapêutica de voltar ao dano emocional do nascimento.

Freud chega então a acusá-lo de ser profundamente louco, e usou a sua poderosa influência na Associação Psicanalítica Americana, para expulsar Otto e tornar obrigatório que quem tivesse sido analisado ​​por ele, tivesse de repetir a análise com Freud para ser "re-certificado".
Otto, após a ruptura Freud, depois de viver Viena, em Paris, torna-se terapeuta de Henry Miller e Anaïs Nin e depois foi para os Estados Unidos, onde teve uma forte influência na psicoterapia do país onde morreu em 1939.
Para Otto Rank, o eu habita o corpo, com uma vontade individual, sem as limitações das visões de Freud.
Otto Rank, como uma alma artística, usou a imaginação para compreender o ato de sublimação e catarse no processo criativo, e desmontou algumas das idéias confusas de Freud sobre o papel social do artista e o processo interno da produção artística.

"Na medida em que o artista consegue realizar seu ideal de amor, a serviço de sua própria auto-imortalização, é de menor importância comparado com a atitude básica que seu trabalho revela - a saber, a origem da insatisfação com a criação artística e assim, incitando o criador de alguma forma ou de outra em direção à vida - isto é, em direção à experiência real de seu eu fundamental. "- Otto Rank

A sua teoria da arte na perspectiva psicanalítica, vê a personalidade artística, lutando contra as restrições culturais e as limitações humanas, para revelar a sua singularidade com a autenticidade de obras originais.

“A criatividade está igualmente na raiz da produção artística da experiência de vida ... o próprio impulso criativo se manifesta primeiro e principalmente na personalidade, que, sendo perpetuamente superada, produz a arte-obra e a experiência da mesma maneira” - Otto Rank

A atividade artística exige sacrifício pela persecução do trabalho, e é confrontada pelo fado do destino da morte, para ver a imortalização como a força que impulsiona o processo criativo, como um sofrimento sob estas limitações.
O homem como uma mistura de animal e duma criatura simbólica que quer afirmar sua diferença na existência, arte é um grito acima das vozes silenciadas do pensamento submisso coletivo , dos próprios sentimentos do artista, e das percepções das limitações do mundo.

“O poder redentor da arte, o que lhe dá o direito de ser considerado esteticamente belo, reside no modo como empresta a existência abstrata concreta às idéias abstratas da alma” - Otto Rank

3- A terapia do "Aqui e Agora"


Otto Rank vê a relação terapêutica como um processo de aprendizagem pelo pensamento criativo, para desaprender os pensamentos autodestrutivos de origem neurótica, e modificar a nossa experiência da existência.
Ele fala da força de uma "contra-vontade" para preservar o Eu, como uma força individual para apoiar a desaprender os padrões herdados da parentalidade, educação, trabalho e sociedade, para revelar como conduzir a nossa vontade de fazer mudanças positivas e sair do nosso pequeno casulo onde o nosso antigo ego está confinado, para construir um novo e aprender que podemos transformar a nossa ação.

Devemos procurar novas maneiras de pensar, porque, como ele disse, a neurose é uma falta de expressão da criatividade aprisionada pelo nosso self e pelas regras dominantes do pensamento coletivo, que exige união e coletividade, ou optar por nos separamos dela para reforçar a nossa individuação.

"O neurótico [que não pode desaprender e, portanto, não tem criatividade] é incapaz de compreender este processo normal de distanciamento ... Devido ao medo e culpa gerados na afirmação de sua própria autonomia, ele é incapaz de se libertar e fica suspenso de alguns níveis primitivos de sua evolução. "- Otto Rank

A Ansiedade é o resultado da escolha interna entre as restrições das forças coletivas e a escolha de seguir o caminho de encontrar a nossa singularidade, e perder o "medo de viver" (de separação dos outros) e enfrentar o "medo de morrer" (de cumprir o determinismo coletivo) para que não sintamos a sensação de na meia-idade que vamos acabar com a vida sem realização.
Robert Kramer definiu o conceito de aprendizagem de ação transformadora, baseado no trabalho de Rank, onde temos que desaprender os antigos padrões de comportamento, dando um passo fora do quadro de nossas crenças e restrições de realidade, que constituem uma espécie de ideologia, para que possamos mudar a perspectiva das nossas escolhas pelo poder de nossa vontade, a que se chama a "contra-vontade".

“O tipo de Artista é um indivíduo criativo que usou a negatividade e a oposição social como uma força para empurrar, diferenciar e afirmar o eu criativo, apesar da pressão social para se conformar e a crítica por não se conformar.” - Otto Rank

Rank percebeu que esse processo era o mesmo da criação artística, em que o artista está a tentar transcender-se a si mesmo pela dolorosa criatividade da aprendizagem, como uma maneira de sair do condicionamento interior, da neurose e do ruído da realidade.
Desaprender é uma espécie de separação do modo como nos vemos, para nos livrarmos da velha pessoa e criar uma nova, mas esse processo é muito difícil se a pessoa tem uma personalidade neurótica que bloqueia a criatividade e o processo de aprendizagem pela separação.
A vida é separação, começando com a tapa na bunda do bebê, separado do útero e do cordão umbilical para o choque da realidade, e um dia o distanciamento final virá quando morrermos.
O corte do cordão umbilical é a nossa primeira cicatriz de separação na vida, que permanece para sempre no umbigo como uma marca precoce da nossa individualização.

Ran, ao contrário à idéia de Freud de que a análise deveria encontrar a fonte dos traumas na infância, tendo criado o conceito de "aqui e agora", onde o complexo ainda está a funcionar nos sentimentos presentes dentro da pessoa, e devemos começar a ir de volta numa viagem até ao momento do nascimento, para nascer de novo.
Otto viu o ato de nascer como um trauma que enraíza o futuro desenvolvimento psicológico e, como resultado, na vida, e, inadvertidamente, estamos sempre á procura da paz e da satisfação total de voltarmos ao útero quentinho e calmo.
Os seus conceitos terapêuticos do microcosmo da relação entre cliente e terapeuta, são vistos como um processo construtivo de aprendizagem de união e separação de sentimentos mútuos, para se reinventar, onde a experiência da perda é o combustível para o eu usar aquele sentimento chamado amor, na comunhão espiritual da aceitação do (s) outro (s).

Na perspectiva macrocósmica, a espiritualização como a experiência do amor mútuo, tem uma relação isomórfica(a mesma forma) com o processo de criação do artista como o olhar para o coração do público em unidade para se dissolver e recriar, enquanto nas criações ele tem que ir para um processo doloroso de total desapego dos outros e da realidade, como um ato de transcendência da vontade de se unir.
Em qualquer época, qualquer processo artístico de criação, quanto mais forte é o distanciamento do artista da sua própria essência e existência, resultará em menos público, mas num processo catártico mais profundo quando o público se une ao artista, significando que os melhores artistas só alcançam a imortalidade da "popularidade" como um ato de amor coletivo, que eles não podem sentir depois da sua morte.

“Como o artista, durante este processo de libertação da ideologia, tem que incluir no que ele entrega a pessoa ou pessoas que estavam ligadas a ele, ele tem que justificar essa ação, que geralmente é feita por ampliação.” - Otto Rank

Esta idea de identificação psicológica do público com o artista, com um objeto artístico de prazer para dissolver a sua individualidade e sair com um sentimento mais forte de individuação, acompanhado de alegria e maravilha do mundo microcósmico encontrando o macrocosmos como uma forma de sentimento universal.

A criatividade é uma disciplina da dor, para a alegria de viver na transcendência do eu.

Otto Rank - Wikipedia - "The

"A vida em si é uma mera sucessão de separações. Começando com o nascimento, passando por vários períodos de desmame e o desenvolvimento da personalidade individual, e finalmente culminando na morte - que representa a separação final." - Otto Rank

O seu trabalho influenciou muitos campos de estudos humanos como desenvolvimento de liderança, aprendizagem organizacional, mitologia, espiritualidade, psicologia humanista, psicoterapia existencial, terapia gestalt, teoria das relações objetais, terapia psicodinâmica, terapia cognitivo-comportamental, teoria do gerenciamento do terror e psicologia transpessoal, só para nomear algumas das áreas que integraram o seu conhecimento.

No próximo post vamos abordar a visão não-diretiva da terapia em Carl Rogers.

Videos:

Otto Rank Sapere Aude Introdução (Em português)

The Artist's Fight Against Art (Em Inglês)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Os "Existencialistas" (Cont.)
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 2 - Psicólogos Humanistas - Otto Rank
    • Parte 3 - Psicólogos Humanistas - Carl Rogers
    • Parte 4 - Erich Fromm - O Medo da Liberdade
    • Parte 5 - Wilhelm Reich - O Orgasmo e o Escudo de Personagem
    • Parte 6 - Carl Gustav Jung - Mitos e Arquétipos
    • Parte 7 - Thomas Szasz - A Fábrica da Loucura
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)