Humanismo e Existencialismo: Parte 4 - Erich Fromm - O Medo da Liberdade

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Humanismo e Existencialismo: Parte 4 - Erich Fromm - O Medo da Liberdade

"A liberdade é o grande compositor da sinfonia da vida" - charlie777pt

1. Introdução


"O homem moderno está alienado de si mesmo, de seus semelhantes e da natureza. Ele foi transformado em mercadoria, experimenta suas forças vitais como um investimento que deve trazer a ele o máximo lucro possível sob as condições de mercado existentes." - Erich Fromm

Liberdade é fazer o que se quer fazer, valorizar o eu e as suas necessidades, tomar as nossas próprias decisões, expressar as nossas opiniões e ações, bem como, conseguir defendê-las, sempre sem barreiras sociais, medo de deuses ou autoridade paterna.
Precisamos liderar por dentro e não seguir o que vem de fora, por preguiça ou cegueira intelectual, e pelo o medo de nos encarar a nós mesmos.
A espiritualização da vida é a verdadeira escolha saudável e enriquecedora para a Humanidade que está presa e a ser engolida pela mentalidade de que a Matéria deve ser o único fato que faz sentido para a vida.
Nós estamos a queimar o planeta e todos nós estamos a ir para um gueto infernal, onde o homem estará preso para se esconder da natureza, que não vai mais nutrir, mas destruir-nos, como uma vingança pelo que estamos a fazer no solo sagrado de nossa Nave Terra, por desperdiçar de forma selvagem todos os recursos disponíveis para terminar num planeta fantasma à deriva.
Estamos a viver numa era de abismo, de total incerteza sobre o futuro, onde o Homem está a ser transformado numa máquina abstrata como autómatos programados digitalmente, com estados emocionais pré-determinados como entradas(inputs) projetadas, que não podem ser rejeitadas.

"Há apenas um sentido da vida: o ato de viver". - Erich Fromm O medo da liberdade

A democracia representativa está a ser substituída pelo populismo, reduzindo a participação popular na sociedade para defender os interesses públicos comuns, que acabarão por levar ao despotismo e a conflitos internacionais.
Qualquer ambição para a prosperidade está totalmente descartada, num futuro impulsionado pelo despotismo, eliminando a participação das pessoas na construção de seu próprio destino.
Se as pessoas se conformam com medo das consequências do crescente autoritarismo dos governos, comprados pelo grande capital, e apoiados por uma "polícia-militar", não haverá destino depois do "ecocídio", que já começou a contagem regressiva, o que deveria fazer-nos pensar no que será mais assustador?
O espetáculo da comunicação social adora notícias falsas, e eles propagam o livro das mentiras, sem nenhuma desculpa por seguir o sensacionalismo, ao invés da verdade que o mundo precisa tão desesperadamente agora.

“Esquecemos que, embora a liberdade de expressão constitua uma vitória importante na batalha contra as antigas restrições, o homem moderno está numa posição em que muito do que ele pensa e diz são as coisas que todo mundo pensa e diz; que ele não adquiriu a capacidade de pensar originalmente - isto é, para si mesmo - o que por si só dá sentido à sua afirmação de que ninguém pode interferir na expressão de seus pensamentos. ”- Erich Fromm em The Fear of Freedom

A sustentabilidade do planeta e a igualdade de justiça e oportunidades para as pessoas, baseadas num vetor da liberdade pessoal como a chave para o desenvolvimento sustentado, económico, financeiro e ambiental, cuja transformação deve ser feita na área educacional, social e cultural.
A sustentabilidade do planeta é uma tarefa imediata e obrigatória. e não é uma escolha que temos que fazer quando o futuro está a desaparecer á nossa frente.
Os direitos humanos estão a ser lentamente apagados do que era uma mera declaração de intenções, sem ações de intervenção concreta, trazendo desigualdade pela manipulação e condicionamento da existência coletiva.

O consumismo capitalista interiorizado é hoje a Essência da nossa Existência, enquanto a mídia de massa tornou realidade, tornou-se nosso inimigo, fazendo-nos agir sob as ordens e desejos de um ufa para manter sua "moneycracy", onde os devedores dominam a sociedade, afogando-se dívida e fome dos trabalhadores pobres escravizados, que mais tarde cairão na miséria dos excluídos.
Quando o um por cento acaba de tirar todo o dinheiro, isso começou com os ricos arrancando a classe média, e agora eles querem roubar de todos os pobres, extingui-los e ficar sem pessoas para explorar em um planeta morto.

"Uma ilusão compartilhada por todos se torna uma realidade." - Erich Fromm

2 - Erich Fromm - O Medo da Liberdade


“Parece que nada é mais difícil para o homem comum suportar do que a sensação de não ser identificado com um grupo maior.” - Erich Fromm em Escape from Freedom

Erich Fromm (1900-1980) foi um filósofo e um psicanalista, que publicou trabalhos em sociologia e psicologia social sob o guarda-chuva de uma visão filosófica humanista, e criou as bases para o surgimento da psicologia política na perspectiva do indivíduo.
Fromm descobriu que a Destrutividade foi gerada pela supressão do eu real e a consciência das barreiras da realidade para se tornar um Ser Humano.
Ele nos mostrou que a força mais forte na existência é a busca da liberdade, como a capacidade última de qualquer ser humano, engajada em atividade política no nível micro, onde cada indivíduo está igualmente lutando pelo poder numa estrutura informal.
Isso reduziria a política ao nível micro, substituindo o macro-nível de partidos, poder corporativo, instituições, ministérios e Estado, com o que chamo de "Política do Ser", onde a participação direta individual nos processos de tomada de decisões interesses coletivos, e cooperação na resolução de problemas comuns em nível comunitário, um princípio que é muito caro a qualquer anarquista individualista, existencialista ou descentralizador.

Um Ser Humano real é construído pelo Amor, como uma habilidade que adquirimos na vida, quando o investimento que fazemos para satisfazer outros indivíduos é maior do que o que fazemos conosco, para nos entregar a uma causa interna de mudança que serve, engrandece ou eleva os outros seres humanos e como enfatizado por Viktor Frankl esta é a principal metamorfose para nos encontrarmos a nós próprios.

"Leva um momento para dizer a alguém que você ama, mas leva uma vida inteira para provar isso." - Erich Fromm

Os seres humanos saudáveis florescem com amor, como cuidado humano mútuo, que é a chave para a participação na criação de uma humanidade mais rica e para evitar a paixão pela destruição e o mal no mundo, como o nazismo, o Holodomor na Ucrânia por Lenine ou os genocídios actuais realmente perpetrados pelo mundo ocidental civilizado, servindo aos vendedores de armas imperialistas.
A sociedade não deve refrear o crescimento do eu interior dos indivíduos com barreiras negativas, criando um caminho de destruição restringindo o sentido humano positivo de pertencer, conectar-se com os outros e auto-afirmar-se com expressão criativa, sendo a participação a chave principal para a consciência política, a mudança social e revolução.
Ninguém pode tirar a nossa liberdade porque ela está sempre dentro, e você pode ligá-la para a liberação do Espírito e se distanciar da materialidade focada ao vivo, e a ideia Fromm explicou muito profundamente em seus escritos de idade avançada do livro "Ser e Tendo".

O autoritarismo está a crescer e exige uma reação, uma fuga para a liberdade, e nunca nos devemos identificar ou fusionar com uma pessoa ou ideologia fora de nós, porque desistimos de nossas próprias raízes, que exigem libertação e afirmação.
Conformismo e masoquismo são o produto da dependência pela identificação com uma terceira parte de figuras sádicas autoritárias que as massas adotam, sendo reduzidas a um comportamento emocional baseado no medo, que abre a porta para o controle da mente pelas nossas tendências latentes de submissão e dominação.
Isso significa que, para qualquer sádico e déspota, há sempre um ser masoquista e moldável, mostrando o caráter neurótico coletivo que vive dentro de cada pessoa.

"O fato de que milhões de pessoas partilham os mesmos vícios não torna virtudes esses vícios; o fato de partilharem tantos erros não torna os erros verdadeiros, e o fato de milhões de pessoas partilharem a mesma forma de patologia mental, não faz com que essas pessoas sejam saudáveis ​​". - Erich Fromm

3 - Erich Fromm - Desobedeça, Não Tema


"A história humana começa com o ato de desobediência do homem, que é ao mesmo tempo o começo de sua liberdade e o desenvolvimento de sua razão". - Erich Fromm

Fromm falou sobre o sentido da identidade como a necessidade de estabelecer a nossa singularidade distinta da dos outros, que emerge por quebrar os nós familiares, dando uma sensação independente de segurança ontológica e o sentimento de que a vida não anula os nossos egos e não somos controlados pelos outros.
Erich Fromm sabia que a desobediência era a primeira porta que temos que abrir para procurar o caminho da Liberdade e restabelecer a nossa sanidade mental.
A média das pessoas tem uma reação ambivalente de falar por si quando são estranguladas pela autoridade, bloqueando o sentimento do desejo secreto de libertação, que está por trás da consciência, identificado por Fromm como o "Medo da Liberdade", que revelará o natural anarquismo e ativismo de qualquer ser humano para ser o arquiteto de sua existência.

"A alienação, como encontramos na sociedade moderna, é quase total ... O homem criou um mundo de coisas feitas pelo homem como nunca existiu antes. Ele construiu uma complicada máquina social para administrar a máquina técnica que ele construiu. O mais poderoso e gigantescas são as forças que ele desencadeia, mais impotente ele se sente como um ser humano. Ele é de propriedade de suas criações, e perdeu a propriedade de si mesmo ". - Erich Fromm

4 - A Fuga (Medo) da Liberdade - Erich Fromm


"Toda a vida do indivíduo nada mais é do que o processo de dar à luz a si mesmo; na verdade, devemos nascer plenamente quando morrermos." - Erich Fromm

Erich Fromm e Viktor Frankl, outro psicanalista contemporâneo, ambos sofreram uma condição estressante sob o nazismo e entenderam o significado, porque o ambiente social poderia conduzir os seres humanos em termos da paixão pela destruição e altos níveis de perversidade.
O livro "Escape from Freedom" demonstra o processo pelo qual as pessoas se submetem e até veneram líderes totalitários.
O quadro seguinte é uma explicação de como uma "liberdade para" positiva ("freedom to") reverte todas as estruturas sociais, abrindo uma porta para o indivíduo se realizar, participando e influenciando mais diretamente a cultura, leis e regras morais, ao contrário da "liberdade de" negativa ("freedom from"), onde a auto-realização é esmagada pela ordem social.

Para Fromm, 'a liberdade de' baseia-se num falso Eu esmagado por outras pessoas, regras morais ou instituições, que é substituído por uma falsa sensação de segurança que esconde pensamentos e comportamentos negativos autodestrutivos como:

  • Traços autoritários: Fromm retrata as personalidades autoritárias como uma caixa onde estão os sádicos (ganhar controle e dar ordem ao mundo) e as forças masoquistas (submetem-se a pessoas autoritárias ou idéias) com conflitos internos.
  • Destrutividade: Embora isso tenha uma semelhança com o sadismo, Fromm argumenta que a vontade sádica de ganhar o controle sobre as pessoas e fazer uma "ordem mundial" ou então destruí-la.
  • Conformidade: traços de personalidade das pessoas que interiorizaram normas e crenças interiorizadas com figuras infantis de autoridade que não foram auto-elaboradas, mas estas pessoas tem 100% de certeza que estas as são suas próprias regras, fechando as portas do pensamento livre, o que leva à auto-rigidez e imobilidade.

A Autenticidade é "liberdade para", a libertação de uma autoridade, para afirmar a nossa personalidade por pensamento e comportamentos criativos, e para nos liberar da velha ordem social para soltar a originalidade da humanidade, como uma alternativa à Sociedade-Máquina dos Senhores e dos Servos.

"Respeito não é medo e temor; é ... a capacidade de ver uma pessoa como ele é, estar ciente de sua individualidade única. Respeito, portanto, implica a ausência de exploração. Eu quero que a pessoa amada cresça, e desabroche para o seu próprio bem, pelos seus próprios caminhos, e não para o propósito de me servir."Erich Fromm

5 - Erich Fromm e o Rendimento Garantido (Rendimento Básico Universal)


O filósofo e psicanalista Erich Fromm no seu texto "Os Aspectos Psicológicos da Renda Garantida" (1966) explica os benefícios da UBI para uma sociedade mais humanizada e menos material.

"Um rendimento garantida, que se torna possível na era da abundância económica, poderia pela primeira vez ser livre da ameaça de fome, e assim torná-lo verdadeiramente livre e independente de qualquer ameaça económica." - Erich Fromm -

As pessoas não são trabalhadores-mercadorias ou produtos como os bens que produzem, e ele via o Rendimento Garantido como uma maneira de libertar as pessoas das pressões económicas, das demandas das necessidades básicas, abrindo o caminho para a liberdade e para a autonomia.

"O homem transformou-se num homo consumens". Ele é voraz, passivo e tenta compensar o seu vazio interior pelo consumo contínuo e crescente (há muitos exemplos clínicos desse mecanismo em casos de comer em excesso, consumir demais, beber demais, como reação à depressão e à ansiedade) - ele consome cigarros, bebidas alcoólicas, sexo, filmes, viagens, bem como educação, livros, palestras e arte. "- Erich Fromm

Ele acreditava que o Rendimento Garantido funcionaria se pudéssemos mudar os padrões de consumo transformando o "homo consumens" em produtores felizes e ativos, a ascensão de uma nova visão espiritual humanista da vida e o surgimento da democracia direta para integrar a voz individual e as decisões das comunidades.

Origem da Foto: Wikipedia

"O desejo pelo poder não está enraizado na força, mas na fraqueza." - Erich Fromm

Vale a pena ver esta entrevista para perceber como Erich Fromm preveu a sociedade em que vivemos hoje.

Videos (Legendados):

Mike Wallace entrevista Erich Fromm - Parte 1 (com legendas)

Mike Wallace entrevista Erich Fromm - Parte 2 (com legendas)

Mike Wallace entrevista Erich Fromm - Parte 3 (com legendas)

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Os "Existencialistas" (Cont.)
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 5 - Wilhelm Reich - O Orgasmo e o Escudo de Personagem
    • Parte 6 - Carl Gustav Jung - Mitos e Arquétipos
    • Parte 7 - Thomas Szasz - A Fábrica da Loucura
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)