Humanismo e Existencialismo: Parte 6 - Carl Jung - II - Tipos Psicológicos

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Humanismo e Existencialismo: Parte 6 - Carl Jung - II - Tipos Psicológicos

"Os Sonhos são a digestão da Realidade." - charlie77pt

1. Introdução


"A vida do homem é uma experiência duvidosa." - Carl Jung

No último post, abordamos a teoria, os arquétipos e as funções em Carl Jung, e neste artigo vamos falar sobre os tipos de personalidade que ele desenvolveu, e como hoje podemos fazer um teste simples para usar como uma radiografia da nossa personalidade, e um mapa que orienta as nossas escolhas para a vida pessoal, social e profissional.
Sinceramente, sinto a decepção esperada de que esses dois posts apenas expressem fragmentos da vastidão do pensamento universal de Carl Jung, e me deixou com o desejo de voltar a este assunto com um monte de posts, como aconteceu um pouco com o longo artigo sobre Wilhelm Reich, e é por isso que não vou falar sobre Freud até terminar essa saga e no final dar espaço suficiente para escrever sobre ele.
Uma pessoa saudável é autocentrada e autodirigida e é capaz de regulação interna sem a influência de códigos morais restritivos ou imposições dos outros, que interferem com a nossa capacidade de realizar todo o nosso potencial.

"O sonho é a pequena porta escondida no mais profundo e íntimo santuário da alma, que se abre para a primitiva noite cósmica que era a alma muito antes de haver um ego consciente e será uma alma muito além do que um ego consciente poderia alcançar." - Carl Jung

Nas suas viagens para conhecer culturas tribais e antigas na África, ele descobriu que o imperativo de Freud do impulso sexual era a raiz da psique da humanidade, enquanto Jung via o processo de "individuação" como um impulso do Inconsciente, onde os sonhos têm um " função transcendente ".
Quando analisou os sonhos das tribos primitivas, descobriu que, em vez dos motivos sexuais da civilização ocidental, eles eram frequentemente simbolizados por pastos verdejantes, cheios de animais ou campos de milho, revelando o desejo principal de encontrar comida como fonte primária de sobrevivência. .

"O privilégio de uma vida é tornar-se em quem realmente você é." - Carl Jung

Diferentemente de Freud, ele acreditava que o Inconsciente não era apenas um nódulo de patologia, mas também tinha a capacidade de liberar a nossa vitalidade, resultante do confronto das forças da dualidade da mente, e era o nosso trabalho equilibrá-lo e escolher o caminho a ser percorrido para ser bom e para evitar o mal que está latente nos aliados das trevas da nossa psique.
Carl Jung mostrou-me a minha principal maneira de pensar e agir, mas o mais extraordinário foi que ele abriu os meus olhos para entender que eu poderia aprender a identificar, relacionar-me e entender melhor as outras pessoas ao meu redor. Ele foi um professor da experiência de mim próprio bem como das outras pessoas, o que interferiu de forma positiva na interexperiência resultante da minha comunicação com os outros.
Sou um pessoa totalmente extrovertida com uma paixão pela variedade, novas aventuras, ações e trabalho em grupos cooperativos, com uma sensibilidade que cria um bom ambiente comunicacional, e sou também um intuitivo explicando a minha busca insaciável por novas situações, experiências, desafios e curiosidade para conhecer.

Todo mundo deveria conhecer seus tipos psicológicos, e hoje é fácil fazer o teste do indicador Myers-Briggs Type Indicator - MBTI (em inglês), ligado á análise das funções de Jung, e é como tirar hoje uma foto do seu Self, para depois se lembrar do que é nas suas ações e para fazer as suas escolhas para vida, trabalho, comunicação e amor.
Este retrato torna-nos conscientes do Ser, como um filme da ação dinâmica das forças funcionais dominantes do nosso tipo de personalidade, trabalhando dentro de nós e dirigindo o nosso caminho na vida.

"Cabe a cada pessoa reconhecer suas preferências verdadeiras." - Isabel Briggs Myers

2 - Tipos psicológicos de Carl Jung

"Uma psiconeurose deve ser entendida, em última análise, como o sofrimento de uma alma que não descobriu seu significado." - Carl Jung

Os seres humanos percebem a informação e julgam-na para tomar decisões, e todos somos diferentes nesse processo, demonstrando que a percepção e o julgamento, são como uma impressão digital individual única na maneira de lidar com a realidade.

"O pequeno mundo da infância com seu ambiente familiar é um modelo do mundo maior". - Carl Jung

As pessoas com uma atitude Extrovertida têm uma alta energia que obtêm do ambiente externo, e agem em tendências reais, enquanto no lado oposto os Introvertidos têm energia mais baixa, que são alimentados por dentro, e têm uma tendência a refletir sobre o mundo lá fora.

  • As Funções Perceptivas podem ser Extrovertidas ou Introvertidas e ambas orientadas por Sensação ou por Intuição.

A percepção em uma pessoa pode preferencialmente usar Sensação, vendo a realidade como ela é de uma maneira concreta, ou por outro lado, outras pessoas podem utilizar a Intuição de uma maneira abstrata, dando uma visão geral mais ampla, conectada com símbolos e conceitos de idéias internas.

  • As Funções de Julgamento também tem a mesma divisão entre Extrovertido ou Introvertido e podem ser dirigidas por Pensamento e Sentimento.

O processo de Julgamento é cognitivamente a expressão de valores sociais e culturais, e uma reação à forma como o mundo percebido influencia as ações das pessoas.

No processo de julgamento, algumas pessoas podem fazer escolhas muito racionais baseadas no pensamento usando princípios firmes, lógica, psicologia e filosofia, enquanto outras tomam decisões baseadas no sentimento de usar emoções como a principal fonte que pode levar a queixas e co-dependência de outras pessoas. .

“A capacidade de pensamento dirigido eu chamo de intelecto; a capacidade de pensamento passivo ou indireto que chamo de intuição intelectual. ”- Carl Jung

As oito funções definidas por Jung são:

2.1 - As funções Perceptivas

  • A Percepção Extrovertida
    • O Extrovertido Sensível - Conecta-se ativamente à realidade com sensação e está sempre á procura de novas emoções.
    • O Extrovertido Intuitivo - trata o ambiente de maneira abstrata e observa as coisas de maneira global.
  • A Percepção Introvertida
    • O Introvertido Sensível tem uma maneira de categorizar e lembrar informações e sensações
    • O Introvertido Intuitivo como uma forma linear de ver uma realidade abstrata usando a percepção baseada em padrões internos que são projetados no futuro

2.2 - As Funções de Julgamento

  • O Julgamento Extrovertido
    • Pensamento Extrovertido - Mostra-se rápido e confiante nas decisões para as condições externas com base em princípios objetivos e valores auto-seguros para lidar com a realidade.
    • Sentimento Extrovertido - As decisões e ações são condicionadas por sentimentos e emoções internas, e valores e princípios subjetivos.
  • O Julgamento Introvertido
    • Pensamento Introvertido - Tem um julgamento muito lógico na avaliação externa e tenta encontrar coerência e usa orientação espacial e de forma
    • Sentimento Introvertido - Além de ser bem orientado espacialmente e para a forma, faz sempre avaliações subjetivas baseadas no nível emocional e nos valores internos, como forma de tentar encontrar harmonia.

Isabel Myers e a sua mãe Katherine Briggs criaram o teste Myers-Briggs Type Indicator (MBTI) conectando as funções psicológicas de Jung e sua regra principal de que os extrovertidos dominam o uso da função de julgamento (Pensamento e Sentimentos) ou a função de percepção ( Sensação e iNtuição).
O inverso acontece com o tipoIntrovertido que escolherá a função dominante a ser usada como julgamento, se preferir a perceptiva, ou se a dominância for a perceção em que o introvertido tem uma preferência para julgar.

Os tipos psicológicos de Jung são definidos em uma matriz de atitudes pessoais ligadas a uma tendência de usar as funções perceptiva ou de julgamento, e a maioria das pessoas tem uma faceta dominante cruzada com a outra.
Por exemplo, Cientistas e Investigadores são mais propensos a ter o Pensamento Extrovertido, enquanto os filósofos são alimentados pelo Pensamento Introvertido, e o sentimento Extrovertido é uma obrigação para atores e estrelas de cinema, enquanto os músicos têm um Sentimento Introvertido.
Empresários e homens de negócios têm uma predominância de Sensações Extrovertidas, e os conhecedores de Arte usam o Sensativismo Introvertido e, por outro lado, as Relações Públicas bem-sucedidas utilizam a intuição extrovertida, e os místicos têm uma preponderância maior para a Intuição Introvertida.
Carl Jung caracterizou-se como um pensador introvertido dominante.

Eu sugiro que todos façam este teste de personalidade (em inglês) e realmente descubram as múltiplas facetas reais da dinâmica interna do Self, a maneira como escolhemos as nossas carreiras, conhecemos as nossas habilidades humanas, bem como a maneira como nos comunicamos e agimos, dando um ótimo auto-retrato confiável da nossa personalidade.
Também me fez entender que eu uso a intuição introvertida com uma percepção clara do meu mundo interior e inconsciente, uma capacidade que eu já tinha sentido mas que me recusava a aceitar

Na figura acima, podemos ver as possíveis 16 combinações desses fatores: ISTJ, ISFJ, ESFP, ESTP, INFJ, ENTJ, ENFP, ISTP, INTP, ESTJ, ENTJ, INFP, ISFP, ESFJ e ENFJ.

  • A primeira letra significa a preferência principal na atitude geral - “E” significa extroversão | "I" significa introversão.
  • A segunda letra representa a escolha entre Sensação e iNtuição - “S” para Sensação | “N” para iNtuição.
  • A terceira letra é a preferência entre Pensar-Sentir - "T" é a escolha para Pensamento | "F" para Sentimento.
  • A quarta letra expressa a escolha da pessoa entre o par de Julgamento ou Percepção: “J” é Julgamento | “P” é Percepção.

No Teste das Tipologias de Jung, o meu tipo psicológico é predominantemente ENFJ, ou seja, Extrovertido - INtuitivo, Sentimento, Julgamento
Eu tenho 100% de preferência pelo Extravertido (E) com quase nenhuma Introversão, tenho 50% de preferência Intuitiva (N) moderada em relação à Intuição e uso 3% de Sentimento (F) e Julgamento (J), eu confio apenas 3% em sentimento e predominantemente uso o Pensamento, e finalmente prefiro julgar mais do que Perceber (28%).
Os meus 3% de Sentimento sugerem características de mais do que uma personalidade como o ENTJ. mas sem dúvida o ENFJ é o dominante, que se torna cada vez mais auto-perceptível com o envelhecimento.

Isto é muito coerente com os trabalhos que escolhi na minha vida (escolhas de carreira do EFNJ), e a melhor e maior parte sempre foi ensinar aos outros, e citando o teste, esse tipo "são os pedagogos benevolentes da humanidade", e minhas funções variavam de trabalho social, psicologia e educação, a ciência investigativa, desenvolvimento de software, gestão e recursos humanos.

Cada personalidade determina nossos tipos preferidos, que estão associados a um Estilo de Aprendizagem (ENFJ) e a uma Capacidade de Comunicação (ENFJ).

"Nada tem uma influência mais forte psicologicamente no seu ambiente e especialmente nos filhos do que a vida não vivida dos pais." - Carl Jung

3 - Tipos de Personalidade e Motivos

J. Gary Sparks, formado pelo Instituto C. G. Jung-Zürichem, em 2002, usando o modelo das tipologias de personalidade de Jung, definiu os quatro impulsos fundamentais que estão por trás das ações das pessoas:

  • controle - brigar e manipular os outros usando a tática de restringir as suas ações;
  • desrespeito - humilhar os outros através do confronto;
  • deferência - conformismo para as posições de dominação, usando um ser complicado;
  • a confiança - a vontade de cooperar revelada por uma abertura amigável.

A neurociência de hoje encontrou algumas discrepâncias com a teoria de Jung, mostrando dados que indicam que os extrovertidos utilizam mais a parte frontal do cérebro, com maior libertação de dopamina, e os introvertidos usam uma parte mais posterior que está envolvida no processo de pensamento, talvez mostrando uma correlação com a teoria. funcionamento neurobiológico e os "padrões instintivos de comportamento e percepção" herdados.

"Onde o amor domina, não há vontade de poder; e onde o poder predomina, há falta de amor. Um é a sombra do outro". - Carl Jung

Leituras Adicionais:

Tipos Psicológicos – Atitudes e Funções

Videos (Em português):

Jung (3) – Tipos Psicológicas (Introversão, Entroversão)

Não tinha encontrado este bom video no primeiro post.
Carl Gustav Jung - Autoconhecimento

Videos (Em inglês):

Face To Face | Carl Gustav Jung (1959) HQ

Carl Jung Documentary - Biography of the life of Carl Jung

Carl Jung and The Value of Anxiety Disorders

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 7 - Thomas Szasz - A Fábrica da Loucura
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e Cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari, Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)