Humanismo e Existentialismo: Parte 5 - Wilhelm Reich - O Orgasmo e a Blindagem de Caráter

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
Humanismo e Existentialismo:
Parte 5 - Wilhelm Reich - O Orgasmo e a Blindagem de Caráter

"O amor hoje é uma foda à primeira vista." - charlie777pt

1. Introdução


"Merda, eu sou Lúcido." - Fernando Pessoa

Hoje, os populismos e os nacionalismos exacerbados confundem a sabedoria do cidadão, cuja soberania está a ser manipulada por um plano mestre, que apaga a racionalidade necessária para planear o futuro do planeta e a nós mesmos.
A transição para a Era Digital não está focada em combater a injustiça das crescentes desigualdades, o problema da descarbonização, as mudanças climáticas, a poluição e o lixo não tratado como plásticos, que podem trazer uma praga devastadora que terminará em ecocídio.
Vivemos sob o medo e o conformismo, em vez da coragem e da ação que poderiam nos afastar da verdadeira política de intolerância, ignorância pública e falta de esperança, quando não podemos distinguir o que é verdadeiro ou falso, bom ou mau, e certo ou errado, e a liberdade da imprensa é dizer o que eles querem com notícias não são reais.

Termos uma justiça global baseada na utilidade, sem valores éticos ou honestidade intelectual, precisamos de um novo sistema igual e justo de democracia direta baseado na solidariedade humana.
A sociedade competitiva de hoje cria um individualismo narcisista vazio, com um "Eu" e "Mim" predominantes sobre o "Nós", com relações humanas intermediadas por telas frias, que estão a substituir os encontros humanos entre as pessoas.
Os pilares e a construção da civilização ocidental hoje, são totalmente dominados pelo princípio da riqueza privada para as classes privilegiadas, e o empobrecimento da esfera pública, por uma total falta de soberania e solidariedade humana.
A vontade de poder desse sistema sádico de dominação, deve ser substituída pela nossa força de vontade, para parar essa pseudo-democracia transformada num mercado de atores monopolistas, onde há uma falsa globalização que está nas mãos da guerra.

Wilhelm Reich queria mudar o mundo em que ele vivia, mas quando se desafia os arquétipos de poder estabelecidos, o sistema dispara sempre um pontapé de volta com perseguição e assédio, que em alguns casos quebrará a resistência física e psicológica do desafiador e arruinará a sua vida e a sua saúde mental.
O exemplo mais evidente é o que estão a fazer a Julian Assange e Chelsea Manning, um processo de crucificação que o público está a observar passivamente, mas nada faz para salvá-lo, porque o sistema os demonizou, para mostrar o que acontece aos indivíduos que tentam abalar os alicerces da civilização ocidental.
Os heróis libertadores sociais podem ser alvos do poder até ficarem loucos, doentes ou morrerem, e isso pode acontecer com qualquer um que queira parar de viver com o medo e com a ansiedade do conformismo consciente.

"Não se pode igualar "capitalismo" e "democracia.". - Wilhelm Reich em Psicologia de Massas do Fascismo

2 - Wilhelm Reich (1897 - 1957) - O Orgasmo e a Blindagem de Caráter


"Amor,trabalho e sabedoria são as fontes da nossa vida. Deviam também governá-la" - Wilhelm Reich

O nosso corpo é a imagem dos mecanismos de repressão social e do inconsciente, revelados na nossa postura física e nos nossos bloqueios musculares, obstruindo o livre fluxo da energia sexual no corpo, mostrando que a cura é uma catarse aos níveis somático e psíquico.
A psicanálise concentra a sua intervenção no nível mental, mas durante o processo, se não tivermos consciência dos traços somáticos (do corpo) correlacionados com os da mente, a força somática permanecerá e em alguns anos ela assumirá e criará uma regressão na cura empurrada pelo que eu chamo de "caráter do corpo".
Reich mostrou também que existe uma relação dialética entre o caráter individual e a ideologia de massas, que resulta em doutrinação da servidão voluntária, na negação da liberdade e da vida, assim como a inibição da personalidade moldada como barro pelas condições socioeconómicas e pela repressão sexual.
Quando eu estava em uma análise em grupo, li o trabalho de Reich e apliquei uma série de métodos e exercícios físicos para desbloquear o "caráter do corpo" enquanto me tornava consciente das estruturas mentais correspondentes.

Wilhelm Reich mostrou que as personalidades autoritárias criavam a projeção do despotismo, e ele queria fazer uma revolução sexual que poderia reverter a sociedade numa "democracia de trabalho" para seres humanos auto-capacitados, sem a prisão exercida por poderes centralizados com espelhos, fumaças, e jogos.
Isso é muito bem expresso no seu livro "Psicologia de Massas do fascismo", e na leitura fácil de "Escuta, Zé Ninguém!", que foi escrito para o homem comum, e que Pier Paolo Pasolini expressou exuberantemente no filme Saló, 120 dias de Sodoma, mostrando como o fascismo pode moldar a mente e o corpo das massas.
Eu recomendo este filme para todos os que tem muita coragem e segurança interna suficiente, para sofrer por duas horas e ver o que o autoritarismo faz ao nosso corpo e espírito, e sentir a agonia dos fantasmas de condicionamento social que habitam dentro de nós.
Depois de ler este texto é muito mais fácil perceber as teias do inconsciente que este filme move, e ver ao vivo como se processa a psicologia de massas do fascismo.

“Porque não tem memória para as coisas que aconteceram á dez ou vinte anos atrás, ainda está falar do mesmo absurdo de á dois mil anos atrás. Pior, está apegado ao poder e principalmente com absurdos como "raça", "classe", "nação" e a obrigação de observar uma religião e reprimir o seu amor. "- Wilhelm Reich em Escuta, Zé Ninguém!

As pessoas infectadas com esta doença veêm os outros como malvados, ferozes e trapaceiros, e envolvem-se obsessivamente na busca de poder, com uma "peste emocional" visível no caráter autoritário e inflexível, expressa na couraça corporal e na rigidez muscular.
Vimos no último post sobre Erich Fromm, que a fobia da liberdade no indivíduo cresce com a incerteza económica e social, e o faz identificar, submeter e venerar ditadores fortes com arquétipos de autoritarismo da antiga sociedade hierárquica e patriarcal, temperada com poderes divinos.
Wilhelm Reich demonstrou mais uma vez que os indivíduos podem ser os seus próprios carcereiros, que participam na sua própria submissão, como um masoquista feliz de ser sugado pelo líder sádico na espiral da dependência na obediência.

"Todas as formas de governo têm isto em comum: cada um possui mais poder do que o requerido pelas condições dadas; na verdade, esse excesso na capacidade de fazer disposições é realmente o que entendemos pelo poder político. A medida desse excesso não pode claro, ser calculado com precisão, representa a diferença exata entre administração e governo."- Wilhelm Reich

Para Freud, problemas e sintomas libidinais eram a prisão do homem/mulher, enquanto Reich a via como um plano de fuga que se materializava a análise do caráter e na vegetoterapia, como proposta para desbloquear as defesas somáticas e psíquicas, e permitir a experiência do prazer e estar consciente por sentir uma dor genuína que ele/ela tenta evitar toda a vida.
A estrutura do personagem é uma armadura que funciona como defesas individuais e onde vivem todos os fantasmas da repressão, que podem ser observáveis na estrutura corporal, que permanece inconsciente, determinando nossas reações como uma máquina de relógio oculta que não podemos ver na nossa consciência, bloqueando o acesso aos nossos sentimentos, emoções e bio-impulsos.
A armadura muscular do paciente expressa os sintomas dos traços psicopatológicos, mostrando que corpo e mente são uma unidade biossistémica funcional, visível na sua forma externa (periferia), como o produto da tensão crónica do sistema muscular, usada para bloquear a memória do indivíduo. sentimentos desagradáveis traumáticos como mecanismo de defesa.
Ele tomou o conceito de libido (energia sexual) de Freud e queria descobrir por que algumas pessoas podiam sentir prazer nas relações sexuais, enquanto outras (os neuróticos) não se podiam satisfazer devido a sentimentos dolorosos ou nauseantes.

"O prazer de viver e o prazer do orgasmo são idênticos. A extrema ansiedade do orgasmo forma a base do medo geral da vida." - Wilhelm Reich

Ele chamou orgone á energia sexual e cósmica, que se acumula e descarrega na bateria humana, usando o orgasmo como fuga principal que leva ao relaxamento após uma descarga bioelétrica.
O prazer é a energia fluir para a periferia do corpo, enquanto a ansiedade é a energia a fluir para o centro, devido á blindagem corporal.
Ele explicou que as diferenças na curva da fórmula do orgasmo revelavam os diferentes traços psicopatológicos que também podiam ser vistos na posição externa do corpo e no tipo de liberação orgástica, e que ela estava condicionada pela "potência orgástica" de cada indivíduo, que se encontra inibida no caráter neurótico.
A curva inicia-se com uma tensão mecânica para encher e despertar dos órgãos com energia bioelétrica - o fluído orgónico - e crescer exponencialmente, até atingir um pico (excitação), onde ocorre uma súbita descarga bioelétrica (liberação) que induz o relaxamento corporal e a alegria de plenitude após o orgasmo.

A liberdade sexual significava para ele a expansão do eu, enquanto a ansiedade das tensões não-realizadas levava à contração da armadura muscular, resultando no imobilismo do eu.
A falta de satisfação orgástica mesclada com os conflitos sexuais infantis acumula-se até criar uma espécie de "esqueleto" psico-somático que pode ser "quebrado" pela vegetoterapia.
O orgone flui no corpo, mas é bloqueado pela couraça do caráter neurótico, e não pode ser descarregado acumulando-se nas blocagem do corpo.

"Às vezes, a blindagem é temporariamente útil, como quando uma criança é ferida e prende a respiração para diminuir a dor.
Mas se esta couraça puder continuar sem tratamento, a criança aprenderá que diminui a intensidade do sentimento e, para se proteger, a criança continuará a usar a armadura como uma forma de analgésico. Em resumo, a blindagem distorce-nos fisicamente, emocionalmente e espiritualmente. Ao fazê-lo, impede-nos de vidas mais recompensadoras e produtivas ". - Wilhelm Reich

3 - Wilhelm Reich - A Análise do Caráter


Toda ameaça da realidade e os traumas da infância compõem uma pesada armadura de defesa nos níveis físico, mental e emocional, que será um fardo e peso que temos que carregar na jornada da vida, pelo que temos que aprender como nos livrar dela, em todas as encruzilhadas, para encontrar novos caminhos libertadores.
Reich criou uma tipologia para as estruturas de caráter, baseada na economia biológica da energia sexual, das quais usaremos as designações originais: o Esquizóide, o Oral, o Psicopata, o Masoquista e o Rígido.
Ele descreveu a sintomatologia, repercussões somáticas e configuração energética do fluxo de energia em relação à curva da excitação sexual e do orgasmo, que descarrega a estrutura da energia sexual acumulada e bloqueada por tensões.

Para percebermos as principais características observáveis, temos que prestar atenção à postura do corpo, a forma, á mímica, gestos e ao estilo de respiração, que são do domínio da linguagem não-verbal, aquilo a que os humanos prestam pouca atenção mas contém 95% do que a pessoa está a expressar.
Cada bloco muscular é uma resistência elétrica que limita a fuga da energia sexual, criando tensão e rigidez postural na rede neural e somática, que constitui a nossa entidade biopsicossocial.

Não existe um tipo perfeito dos caracteres que ele definiu, porque somos uma mistura de todos eles, com alguns tipos pré-dominantes que expressam os traços psicopatológicos da personalidade e que influenciam nosso comportamento neurótico, e que eles podem variar e mudar ao longo da vida.

  • O Caráter Esquizóide é marcado por traumas pré-natais ou de nascimento, que sente um mundo ameaçador e inseguro, querendo fugir de uma realidade da qual ele não se sente digno, e rejeita outras pessoas para evitar de ser rejeitado pelos outros.
    O Esquizóide evita a comunicação ou o faz de maneira despersonalizada, parecendo frágil e ausente, e fraca individuação, mas sentindo uma violência interior mais profunda em direção ao mundo hostil sentido.
    Ele tem um corpo alto, muito magro e alongado que parece nunca encontrar o equilíbrio, com articulações fracas, braços e pernas tensos e rígidos, normalmente com mãos e pés frios, porque a energia é bloqueada no núcleo bio. Os blocos de tensão muscular estão localizados no pelvis, no pescoço, no centro do peito e nos ombros.

  • O Caráter Oral advém de traumas relacionados com fase de desenvolvimento com o mesmo nome, promovendo um sentimento de abandono, medo de reivindicar as suas necessidades e pensamentos, que não são sentidos como atingíveis, por isso tentam assumir mais passividade ou agressividade, porque ele não precisa de outras pessoas.
    A pessoa oral não se pode carregar e quer roubar energia dos outros, exigindo apoio, está sempre a sentir-se amarga porque nunca consegue o suficiente, criando uma personalidade co-dependente, viciada em sugar a energia das pessoas, pelo que temos que evitar ser manipulados.
    O corpo também é longo e parece pouco desenvolvido em massa muscular e com flacidez, os ombros são curvados para a frente e no peito tem um buraco no interior que reduz a respiração de um sinal de uma pessoa que não dá, mas toma.

  • O Cárater Psicopático é produto de um trauma na primeira infância , devido a manipulação dos pais do género oposto, criando um mecanismo defensivo constante para tomar o poder, dominar e controlar o outro, e eles estão sempre certos sobre suas opiniões.
    O corpo com uma parte superior excessivamente desenvolvida e rochosa, sustentado por pernas subdesenvolvidas, colocando a energia no topo e fechando o fluxo para a outra metade inferior do corpo. Ter uma forte vontade e mente focada em ser sempre o vencedor, pedindo competição e começa com uma grande explosão de energia que desaparece mais tarde, que normalmente tem o perfil de um líder autocrático.

  • O Caráter Masoquista é marcado por eventos em torno de dois anos de idade, em resposta a uma mãe controladora fixada na dominação, criando na criança uma sensação de que ele tem que esconder os seus sentimentos, apresentando uma falsa submissão, para evitar a invasão constante, com um crescente ressentimento, que tem que ser escondido pelo medo da repressão.
    O masoquista tem um corpo pesado e compacto, fácil de ganhar peso na parte inferior e nas ancas, porque a energia cresce por dentro, e é estrangulada acima da garganta e não pode escapar, criando um sintoma de superioridade interna, mas sofrendo e reclamando da pressão externa, sendo o senso de controle que mata a autonomia, por haver uma brecha no self que pode ser invadida ou invadir os outros, sendo uma boa vítima para o psicopata.

  • O Caráter Rígido tem o seu fundamento numa rejeição experientada nos pais do género oposto, levando a um controle interno total dos sentimentos e emoções que escondem uma vontade de ser perfeito, assumindo um comportamento manipulador "adequado" e defensivo para ganhar controle, revelando falta de autenticidade.
    O corpo realmente parece-se com uma armadura rígida cheia de tensão, mas com as proporções certas, mostrando uma energia que não é originada no bio core, com uma gama de comportamentos de ambição e competição ou sedutoção e exigências, querendo criar um mundo perfeito com um papel perfeito, acompanhado por uma negação total do eu real e dos sentimentos que não têm espaço para se conectar e se comprometer.

Esta é uma forma muito interessante de identificar pessoas pela sua postura e forma corporal, bem como a maneira de lidar com estes casos, e este é um bom documento para começar (em inglês).
Cuidado com as interpretações antes de passar por todo o paradigma, pois nós ao princípio quando lemos, descobrimos que temos todos estes sintomas, mas o mais difícil é perceber os que são mais preponderantes.
O nosso objetivo pessoal na vida é reconstruir os nossos bloqueios para permitir um sistema de fluxo de energia livre, que liberte as nossas tensões e obtenha uma conexão mais real com a pessoa amada em plenitude, num relacionamento sexual mais catártico.

“A consciência sexual plena é uma regulação natural da vida sexual significando o fim dos sentimentos místicos de qualquer tipo. Noutras palavras, a sexualidade natural é o inimigo mortal da religião mística. A igreja, ao fazer da luta pela sexualidade o centro de seus dogmas e de sua influência sobre as massas, confirma este conceito.”- Wilhelm Reich

4 - Reich: O Cientista "Louco"


Uma de suas filhas, uma psicanalista, sugeriu por intuição, sem qualquer prova, que talvez Reich fosse abusado na sua infância, explicando a sua escolha dos interesses da sua vida na investigação da liberação sexual e na luta contra o poder das figuras de autoridade.

“Confundir a insolência pela liberdade sempre foi a marca do escravo.” - Wilhelm Reich em Listen, Little Man!

A Teoria do Orgasmo de Reich e a sua Análise do Caráter e da Blindagem Muscular, são muito importantes para ajudar um indivíduo a ter uma perspectiva das forças que moldam e dominam a nossa economia sexual do orgone como a energia da psique e do cosmos.

Depois de ser expulso por Freud e sua filha Anna pelo Clube de Viena e por um período traumático que permaneceu na Noruega entre 1934 e 1939, e depois disso nos Estados Unidos, Reich vai para os territórios escorregadios dos bíons na Energia Orgónica, construindo Acumuladores de Orgone . e até mesmo um Canhão Cósmico ("Cloud Buster"), que poderia concentrar nuvens para fazer chuva em lugares desertos.

Parece que Reich depois de ficar na Noruega, onde ele criou muitos inimigos e críticos, foi atingido na sua segurança ontológica, e ele é forçado a partir para os EUA, perdendo o seu maior amor Elsa Lindenberg, dando origem a mais traumas na a sua personalidade já de si paranóica e beligerante.

Todos deviam ler os arquivos completos do FBI de Wilhelm Reich (em inglês), para entender como o poder pode atrapalhar a vida de um indivíduo, tendo ele sido preso por identidade equivocada e depois é novamente encarcerado por ter uma posição científica sobre o Homem e o Mundo.

A sua vida já difícil, desvia-se numa série de errupções contra o sistema e a justiça que estavam assustados com a incompreensão de seu trabalho e suas possíveis consequências.
Primeiro, ele foi alvo de uma confusão de arquivos do FBI sobre um assunto com um nome similar que estava distribuindo propaganda comunista, e levou um longo tempo até que eles vissem o "erro" e o liberassem das acusações.

A vigilância, perseguição, julgamentos e prisões de Reich nos EUA do Reich, iniciaram alguns sintomas de paranóia, ilusões de grandiosidade, teorias conspiratórias e idéias de referência como "Os aviões sobrevoando a prisão são enviados pela Força Aérea para me encorajar", mostrando um elaborado pensamento psicótico.

O sistema de peste emocional demonizou Reich, para enlouquecê-lo e assassiná-lo na prisão como uma bruxa má, e ele vai para a cadeia porque um assistente seu envia um acumulador para outro estado, que foi encomendado por um agente do FBI.

Reich alegava que tinha encontrado a cura para o câncer e para a impotência, e no final de sua vida com o conceito de “Arma da Paz” (Cloud Buster), usando o canhão orgônico (por exemplo, para fazer chuva) , estando ele a aproximar-se de campos perigosos de investigação, como produzir fontes de energia alternativa, que também levantaram uma sobrancelha da poderosa indústria petrolífera.

Nos Estados Unidos, ele começa a construir “acumuladores de orgone” que apresentou a Einstein, que fez experiências com ele, verificou que havia uma temperatura maior dentro dele, mas fechou a investigação e não deu mais atenção ao trabalho de Reich.
Até mesmo Norman Mailer teve alguns Acumuladores e outros como Sean Connery, Ginsberg, Kerouac e Salinger, e um Orgasmatron aparece no filme "Sleeper" de Woody Allen em 1973.

A história da sua vida é o espelho perfeito do que o sistema fazia e mais maquiavélicamente continua a fazer a todos os que acreditam numa vida melhor para todos, o que é sempre um ataque ao sistema que quer determinar a nossa vida.
Todos nós devíamos agir para parar as crucificações e a caça ás bruxas- um fantasma que desde a Idade Média nos persegue-, mas a maioria da população assiste passivamente á sua própria subjugação, quando deixa Julian Assange e Chelsea Maning.

Video: -->Viagem Longa: WILHELM REICH Documentário (Legendado em português)

Videos(Em Inglês:

Wilhelm Reich - Man's Right to Know

Flash video: Radical thinkers: Wilhelm Reich's Sex-Pol

The Suppressed History Of Wilhelm Reich And Orgone Energy

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo. Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Os "Existencialistas" (Cont.)
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 6 - Carl Gustav Jung - Mitos e Arquétipos
    • Parte 7 - Thomas Szasz - A Fábrica da Loucura
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)