Os "Existencialistas": Parte 4 - Albert Camus - O Absurdista

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Os "Existencialistas": Parte 4 - Albert Camus - O Absurdista

"Não há paz na submissão" - charlie777pt

1. Introdução


As pessoas estão a afogar-se, na beligerância do capitalismo imperialista, orientada pelo consumo e pela guerra, pobreza extrema e disparidade de riqueza e destruição e poluição planetária, onde a humanidade foi expulsa pelo valor monetário.
A Política tem favorecido um poder corporativo não-hierarquizado, aliado aos "monges-de-guerra" militares do estado profundo, habitando num mundo de uma realidade falsa, que é corroborada pelos media.
As Tiranias fazem as pessoas sentirem a opressão como dor inevitável, e concedem aos tiranos no poder a possibilidade para sustentar uma política de obediência aos governantes, mas existe uma maneira de derrubá-la pela não-cooperação e desobediência civil não-violenta, que é a arma mais eficaz para dissolver o domínio político.

A Filosofia é a atitude humana em relação à vida e ações na Existência, como uma forma de conhecimento para encontrar e resolver problemas, para experimentar a realidade, as outras pessoas e a nós mesmos.
A Filosofia pode ser uma forma de engajamento político que é usada para desmascarar o véu das ideologias, como os organizadores das totalidades sociais, que nunca são centradas na Verdade, mas na sua perpetuidade, funcionalidade e eficácia.
Usar a Filosofia como uma lente para ver esta realidade absurda, muda-a, porque a História é governada pelo raciocínio lógico e ontológico de todos os "existentes", e funciona de maneira racionalista que pela crítica transforma a sociedade, a ciência e a cultura, e consequentemente as atitudes e comportamentos.
A Filosofia é uma ferramenta para sentir os obstáculos da ideologia como o reino da ilusão, que rouba ao homem a luz da verdade e o poder crítico do raciocínio, que alimentam o fogo da chama da liberdade e da dignidade dos seres humanos.

As pessoas na História da humanidade devem ter o propósito de a fazer isso por si mesmas, mas, na prática, ela implementa o ponto de vista de alguns, que impõem os desejos de seus umbigos.
Hoje, o autoritarismo não é sobre suásticas ou camisas pretas, porque ele agora está disfarçado sob muitas camadas de burocracia, técnica, passividade voluntária sobre vigilância, e aniquilação auto-infligida da vontade, imposta por um poder centralizado que mata qualquer crítica e criatividade humanas.

As pessoas estão cada vez mais sozinhas e numa busca desesperada por novos valores, e precisam entender que podemos confiar apenas em nós mesmos, na nossa mente e nas nossas ações, para dar sentido a esta realidade absurda.
A Filosofia é baseada na experiência da vida, dos outros e de nós mesmos, que pode ser usada como uma maneira de resolver problemas e criar novos que não estamos cientes, para obter conhecimento e encontrar a verdade.
O conhecimento sensível vem d, a experiência, e o conhecimento inteligível vem do pensamento racional na visão platónica, de modo que a filosofia pode ser usada como o princípio do raciocínio humano sobre todas as formas de pensamento e para o autoquestionamento das escolhas e da vontade.

A Filosofia é uma atitude em relação à vida, desde estar acordado ou adormecido, consciente e inconsciente das restrições da realidade, ser livre ou aprisionado nas rodas da existência, por isso devemos descobrir como devemos viver, criar, lutar, amar e morrer.
A realidade de hoje é mais absurda do que nunca, e Camus é uma chama no fim do túnel destas novas cavernas da tecnologia, onde os níveis revelados da submissão humana, estão a tornar o homem numa máquina comportamental previsível e rastreável, e isto faz o ser humano "livre para escolher" apenas as opções das rodas de estado e da ordem do dinheiro.
Devemos estar vigilantes e lúcidos, e ter a coragem de lutar pela liberdade e autonomia, atuando e pensando.

"Democracia não é a lei da maioria, mas a proteção da minoria." - Albert Camus

2 - Albert Camus - O Absurdo (1913 -1960)


"Realidade ou Artificialidade será no futuro um absurdo indistinguível" - charlie777pt

O filósofo, autor, dramaturgo e jornalista Albert Camus, nasceu na Argélia francesa colonizada e na sua juventude o seu destino parecia que ele se tornaria um astro de futebol, mas o destino matou esse sonho quando contraiu Tuberculose aos dezessete anos, terminando o seu sonho, mas isso, por outro lado, abriu o caminho para um jogador fantástico da realidade.
Como Sartre, ele recusou o rótulo de filósofo "existencialista", e desenvolveu a teoria do absurdismo no seu livro "O Rebelde", como um manifesto contra o niilismo que sufoca qualquer tentativa humana de se rebelar e lutar pela liberdade.
O Mito de Sísifo (1942) marca sua abordagem teórica do "homem absurdo" que está pronto para enfrentar e se rebelar contra a realidade com sua consciência humana de que não há sentido no absurdo da condição humana.
Ele era fortemente contra a visão do niilismo, que sustentava que não havia escapatória de uma realidade absurda e que qualquer ação era um absurdo sem sentido, e Camus revela que só nós mesmos poderíamos superar o absurdo da Vida na batalha com a Existência.

"A compreensão de que a vida é um absurdo não pode ser um fim, mas apenas um começo." Albert Camus

Como um profeta do absurdo, ele é fortemente influenciado por alguns de seus queridos mestres, Nietzsche, Dostoiévski, Proust, Kierkegaard e Kafka. e ele amava o teatro, tendo começado como ator e depois tornou-se um dramaturgo experiente.
Ele era um antifascista e anticollectivista, declarado que sempre teve uma palavra rebelde para dizer quando todos os outros "monstros sagrados" evitavam falar sobre opiniões políticas incorretas, e isso não ajudou a sua vida porque, no final, ele sempre seria demitido. de seus trabalhos.
Albert Camus foi toda a sua vida um homem livre impulsivo, que tinha a boca amarrada às suas ações, escritos e pensamentos, expressando uma rebelião contra qualquer dominação humana, e ele sempre criticou, imperialismo, fascismo, comunismo ou qualquer outra forma de controle coletivo .

"Eu revolto-me; logo, eu existo". Albert Camus

Todos, desde os direitistas até os intelectuais esquerdistas franceses, e até mesmo Sartre (que Camus criticava por suas simpatias esquerdistas), eram contra Camus que se rebelava contra uma realidade avassaladora e esmagadora.

"Eu posso sentir esse coração dentro de mim e concluo que existe. Eu posso tocar neste mundo e também concluir que existe. Todo o meu conhecimento termina neste ponto. O resto é hipótese." - Albert Camus

Temos que entender o absurdo da vida e da existência, e depois desse ato de consciência, temos que encontrar uma maneira de desafiá-lo e superá-lo.
Santo Agostinho e Kierkegaard foram as suas primeiras influências cristãs, mas depois de Nietzche ele segue o ateísmo que matou o seu passado religioso, e de Shoppenhauer ele obteve a influência pessimista que moldou sua teoria do absurdismo.
No final da sua juventude na escola, ele teve a influência de Descartes e Spinoza, assim como escritores como Dostoyevsky e Kafka para mencionar alguns, mas ele nunca usou a metafísica ou ontologia como Sartre fez, fazendo com que Camus não se considerasse um existencialista.
Talvez ele nem sequer fosse um filósofo académico, e nunca criou paradigmas com um pensamento sistemático, coerente e consistente, porque estava mais centrado na realidade construída por tendências morais e políticas.
Ele parecia adorar a natureza e a maravilha de nossos sentidos e percepções sobre o universo, mostrando que devemos concentrar-nos no aqui e agora e encarar o presente com uma filosofia de revolta contra qualquer forma de controle humano da realidade.
As suas reflexões quase filosóficas, tornam-nos conscientes de uma existência avassaladora e do condicionamento da comunicação com outras pessoas e o nosso ser, para adquirir uma consciência mais aguçada, para evitar a alienação e uma vida não autêntica e entediante.

3 - Rebeldia contra o Universo Absurdo


"Liberdade é nossa capacidade de dizer não" - charlie777pt

Camus é um modelo de inconformismo e da recusa de fugir da realidade, com o compromisso de valorizar e enriquecer a luta humana pela consciência duma Existência lúcida e sonhar com novas realidades onde a humanidade ainda conta.
Ele queria mostrar o Ser rebelado emergindo da união de nossa essência à existência, não como uma experiência científica, mas psicológica do nosso mundo interior, que é o último fundamento do conhecimento.

"O homem é a única criatura que se recusa a ser o que ele é." - Albert Camus

Camus explorou a falta de sentido e a natureza absurda da condição humana, mas o que ele quis dizer, é que devemos revoltar-nos contra isso e lutar para superá-lo, dentro do contexto de nossa própria Existência.
O que queremos não é o que recebemos porque a realidade é fria sobre nossos desejos.
A realidade é sem sentido, surda e vazia, sobre nossas expectativas de um mundo justo, racional e justo, criando um conflito que gera a Absurdidade.
Devemos criar uma rebelião metafísica contra esse estado de imobilismo e autoaniquilação, comprometendo-nos com valores de integridade moral e solidariedade social humana, que possam se afirmar e dar sentido a nossas escolhas e ações num mundo mais significativo.

"Sempre chega um momento em que se deve escolher entre contemplação e ação. Isso é chamado de se tornar um homem". - Albert Camus

Camus sabia, que não há liberdade sem justiça social, que expressa seu grau na vida política e social, que pode ser medida pelas desigualdades que gera.

"Todo o ato de rebelião expressa uma nostalgia pela inocência e um apelo à essência do ser." - Albert Camus

Temos uma vida curta e sem sentido, de ansiedade perpétua, culpa, pavor e angústia de escolha, habitando num mundo sem sentido no Planeta da Absurdidade, então é sempre hora de perder o medo de sermos livres.
Albert Camus, reforçou que, além do absurdo e da falta de sentido para a vida, temos que nos revoltar e lutar, fazer sentido para a vida, contra este sentimento de impotência.
Ele era um homem livre impulsivo e era contra o conformismo, o colonialismo, o fascismo, o coletivismo, ou qualquer instituição que sufoca a liberdade humana.
A sua consciência crítica deve ser reavivada neste século, pois ela hoje faz muito mais sentido do que quando ele estava vivo.
No futuro, Realidade ou Artificialidade como falsidade ou verdade serão indistinguíveis, e devemos nos rebelar contra isso porque isto significa o fim da humanidade.

Origem da Foto: Wikipedia

"A única maneira de lidar com um mundo sem liberdade é tornar-se tão absolutamente livre que a sua própria existência é um ato de rebelião." - Albert Camus

Origem da Imagem: Sisyphus, o símbolo do absurdo da existência, pintando por Franz Stuck (1920)

Videos Legendados PT:
Albert Camus fala sobre a felicidade em 1959

Um combate contra o Absurdo | Albert Camus (legendado)

Filme:
O Estrangeiro (Camus por Visconti) - Legendado (clique em CC)

Videos (Em Inglês):
PHILOSOPHY - Albert Camus

Philosophy Feuds: Sartre vs Camus

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Os "Existencialistas" (Cont.)
    • Parte 5 - Merleau-Ponty - O Humanista do Existencialismo
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 1 - Psicólogos humanistas
    • Parte 2 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)