Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo: VIII - Os Jogadores e os Tempos - Agora e Antes

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Parte 3 - A Filosofia do Existencialismo:
VIII - Os Jogadores e os Tempos - Agora e Antes

"A autoconsciência é o coração da mudança social" - charlie777pt

1. Introdução


Antonin Artaud em face da evolução do mundo moderno disse: "Não temos outra saída que não seja a consciência", e que temos que "abrir para a consciência de nós próprios", porque "o que não é humano consciente também não é" - citado por Georges Bataille nas Lágrimas de Eros

Como já disse em posts anteriores em relação á anarquia , ao descentralismo, á auto-libertação e ao existencialismo, todos eles são também definidos no equilíbrio da trilogia dos valores humanos fundamentais: Autonomia, Responsabilidade e Liberdade como os pilares da nossa vida e das relações com os outros.

O Existencialismo surgiu numa era de descrença comum nas instituições centralizadas, repressão de poder e uma desconexão da educação da realidade, e essa ilusão política tem muitas semelhanças com os de hoje, e a única diferença é que o problema é muito mais profundo enraizado nas rodas. da existência e esmagando muito mais vítimas, porque os padrões de dominância adquiriram um tremendo poder.

O poder está a ficar cada vez mais centralizado e cristalizado numa realidade sufocante que esmaga a vontade individual.
Nesta sociedade da era pós-industrial, onde temos que administrar a escassez de recursos para a sobrevivência do nosso planeta Terra e das espécies, temos que agir antes que seja tarde demais.
Este poder está a interferir com a consciência humana, aumentando o medo das pessoas de agir e lutar pelos direitos humanos e pela dignidade aos olhos da verdadeira justiça como igualdade.
Nunca houve tanta necessidade de abertura para a consciência como o nó de sobrevivência que diferencia nossa espécie humana na relação com a realidade e o planeta, como o movimento ambientalista "Rebelião da Extinção " que virá às ruas com um longo programa de eventos durante todo este ano.

2 - Existencialismo como Filosofia Viva


"O homem é verdadeiramente livre apenas entre homens igualmente livres." - Michael Bakunin

O Existencialismo celebra a especialidade e a singularidade de cada ser humano.
O recurso á filosofia, como uma amiga sempre desconfiada da ciência e da política, e dos seus valores interiorizados pelo exercício do poder que as corrompe, e que as torna contrárias á natureza humana, usando-a como uma ferramenta para consertar a realidade e a nossa sensação de impotência para a transformar.
A Filosofia é a única arma individual, disponível para a sobrevivência contra a incerteza de futuro e de oportunidades, que pode unir as pessoas para criar uma ação coletiva, que não pode ser confundida com coletivismo, porque este implica sempre a autoridade de um grupo restrito.

Como G. Edward Griffin diz, o coletivismo prevalece sobre o individualismo porque ele faz surgir surge o poder autocrático, a coerção e a violência, mas que não deve ser confundido com seu oposto, a ação coletivista , feita por indivíduos livres sem autoridade centralizada.
A filosofia está sempre morta, a menos que tenhamos uma que se torna viva, como o existencialismo nas ruas em Maio de 68 na França, como uma praxis coletiva para mudar o mundo.
O primeiro paralelo vem do vórtice dos estudantes de sociologia franceses, para mostrar uma total falta de satisfação com os currículos e sistemas de ensino superior desconectados da realidade, como as Universidades hoje dão aos alunos títulos para nenhum trabalho e uma dívida financeira para a vida.

O livro Roads to Freedom é uma abordagem existencialista prática de Sartre à realidade, e, em vez de se preocupar apenas com os paradigmas teóricos, mostra algumas ações possíveis para lutar pela liberdade.
Existem dois tipos de filosofia, uma morta que fica adormecidada nos livros, e uma viva que salta das páginas para a realidade, e que se expressa dentro dos movimentos sociais que historicamente surgem, questionando os modos de viver para mudar a sociedade.
Para Sartre, a dinâmica da sociedade baseava-se no pensamento de classes opostas conflitando pelo poder, e a Filosofia viva era a cultura e as artes emergentes da classe social em ascensão, assumindo uma velha classe decadente (tornando-a obsoleta).

Não estamos aqui para quebrar regras, mas para agir sob a nossa responsabilidade, para crescer o nosso Ser no tempo, e ter uma vida significativa, tentando encontrar o seu sentido, para construir o nosso Destino como a nossa existência, porque as nossas vidas certamente acabam no envelhecimento, na decadência. e na morte, como fardo do nosso Fado, que o homem não pode controlar.
Todas as outras filosofias estão mortas, mas é muito importante conhecer e estudar todos os insights destas pessoas, que encontraram as brechas do muro de pensamento de uma era da civilização, para exorcizar os seus fantasmas, que ainda estão vivos na mente de muita gente que não está consciente das cortinas da realidade.

3 - Existencialismo: Os Jogadores e os Tempos - Então


Somos livres, porque estamos condenados a fazer escolhas para as nossas ações e a lidar com suas consequências.
Agir como uma pessoa de pensamento de elevada consciência fará com que ele / ela pense como uma pessoa de ação, o que a coloca mais perto da verdade e da realidade.

"O mundo é ... o cenário natural, e o campo para todos os meus pensamentos e todas as minhas percepções explícitas. A verdade não habita apenas o homem interior, ou, mais precisamente, não há homem interior, o homem está no mundo e só no mundo ele se conhece a si mesmo."- Maurice Merleau-Ponty

As grandes estrelas da filosofia existencialista queriam abalar as fundações e pensar na civilização ocidental, com fenómenos que se transformaram em um movimento de ação político-social.
Os mais conhecidos Jogadores e vozes intervenientes na época, entre outros, foram Gabriel Marcel, Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus e Maurice Merleau-Ponty, a quem dedicarei postagens exclusivas e outras que mencionarei durante esta série de posts sobre existencialismo.

Origem das fotos: wikipedia

O mundo não é o que esperamos que seja, por isso devemos alinhar nossas expectativas e ações para construir o mundo que queremos ver e lutar para "experimentá-lo" na realidade.

“A minha liberdade não é e não pode ser algo que eu observei quando observo um fato exterior; pelo contrário, deve ser algo que decido, além disso, sem recurso. Está além do poder de qualquer um rejeitar a decisão pela qual afirmo a minha liberdade e esta afirmação está, em última análise, ligada à consciência que tenho de mim mesmo.”- Gabriel Marcel

Um existencialista, um individualista ou um anarquista, são pessoas que valorizam a independência de espírito e a liberdade de movimento acima de tudo na vida, e não gostam de suprimir forçosamente seus desejos naturais no ambiente existente com limitações morais ou pressões sociais. , e ele / ela está ciente dessas restrições.

“A ansiedade é a vertigem da liberdade.” - Jean-Paul Sartre

Isso cria ansiedade, frustração intensa, ressentimento, estresse mental e um sentimento inerente de inquietação, por isso devemos desejar nos libertar dessas limitações, e ter a força mental necessária para fazê-lo, e evitar o fardo das restrições da vida cotidiana para encontrar o nosso próprio caminho livre e independente, como uma catarse para resolver a angústia da Existência.

"Nunca será feliz se continuar a procurar em que a felicidade consiste. Nunca viverá se estiver a procurar o sentido da vida." - Albert Camus

Um existencialista é uma pessoa realmente intensa e apaixonada, com o desejo de viver a vida ao máximo, que pode ser visto na sua intensa energia emanada, que se reflete num comportamento animado, colorido com uma maneira entusiasta de falar, dando uma sensação de pertença ás pessoas que falam, com o amor a reinar acima de tudo em sua mente.

“A vida de alguém tem valor desde que se atribua valor à vida dos outros.” - Simone de Beauvoir

Um existencialista tende a afastar-se de qualquer coisa que na sua opinião seja grosseira, vulgar ou de mau gosto, e sabe que o dinheiro da classe privilegiada possui os legisladores, codificando a máquina com as leis do seu umbigo, enquanto os verdadeiros legisladores só podem ser a voz de todas as pessoas, defendendo seus direitos naturais e exercendo livremente a sua vontade de poder.

4 - Existencialismo: Agora - Rebelião de Extinção e Coletes Amarelos


"Temos que alinhar nossas ações com as nossas crenças, se quisermos sentir o gosto da liberdade" - charlie777pt

Esta nossa era cultiva a intolerância política, que há muito tempo que superou o amor, levando à guerra e afogando a paz.
As pessoas só querem ouvir o que é congruente com a narrativa que o sistema e a TV plantaram ou implantaram nas suas cabeças, um Prisma que ofusca a verdade e cria ódio para qualquer mensageiro que traga o lado negro da realidade que o poder tenta esconder.

Qualquer revolucionário de consciência ou denunciante é um perigo para o sistema, um fora-da-lei e um terrorista , porque ele ousa desafiar os Golias e interromper uma Máquina que não está mais a servir a humanidade.
O sistema ama todos os tipos de dissidência a que chama isso de terrorismo porque é usado como combustível para a fera do sistema.

"Para existir, o homem deve se rebelar, mas a rebelião deve respeitar os limites que ela mesma descobre - limites onde as mentes se encontram e, em reunião, começam a existir". - Albert Camus

A Inovação Social Coletiva só é possível com a Descentralização, como um movimento autoconsciente que tornará obsoletas as estruturas centralizadas, que serão substituídas pela comunicação horizontal que transformará a realidade.

Como a história nos mostrou desde Gandhi , precisamos de "Desobediência civil para parar o ecocídio" (Chris Hedges) numa entrevista com Roger Hallam, co-fundador do movimento Extinction Rebellion (XR) onde ele diz que "Nós temos o dever de agir" que está na Inglaterra a organizar "atos não-violentos de desobediência civil" em 15 de Abril, em todas capitais de todo o mundo, para reverter nosso "caminho unidirecional para a extinção".
Este novo movimento de ação direta não violenta, é um exemplo de formas de resistência passiva que desde Gandih nos mostrou que pode realmente provocar profundas mudanças sociais. Vamos ver o que acontece . :)

Junte-se à rebelião

Rebeldes de fora do Reino Unido, por favor, inscreva-se em xrebellion.org

Videos em Inglês:

Extinction Rebellion activists pour 200 litres of 'blood' outside Downing Street

"All Power to the Imagination": Paris, May 1968: The Student Revolt

Philosophy Feuds: Sartre vs Camus

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • Os "Existencialistas"
    • Parte 1 - Gabriel Marcel - o Neo-socrático
    • Parte 2 - Jean-Paul Sartre - o Homem do Século XX
    • Parte 3 - Simone de Beauvoir - o Castor
    • Parte 4 - Albert Camus - o Absurdista
    • Parte 5 - Merleau-Ponty - O Humanista do Existencialismo
  • Humanismo e Existencialismo
    • Parte 1 - O Medo da Liberdade de Erich Fromm
  • Existencialismo e Anarquismo
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Psicanálise e existencialismo
  • O movimento antipsiquiátrico
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Colectivismo vs. Individualismo
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série
Os Biotas sonham com uma cidade blockchain?

Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia